• Gluten Free Brasil

Acompanhamento clínico em crianças com doença celíaca.


Cresce incidência de doença celíaca nos últimos anos

A incidência de doença celíaca (DC) aumentou ao longo do último meio século, resultando em crescente interesse em identificar seus fatores de risco. A DC é caracterizada por uma condição sistêmica imunomediada evocada pelo glúten e prolaminas relacionadas em indivíduos geneticamente predispostos. É caracterizada por uma combinação variável de sintomas clínicos dependentes de glúten, anticorpos específicos de CD, haplótipos HLA-DQ2 e HLA-DQ8 e enteropatia. O seguimento da doença celíaca (DC) é desafiador devido à escassez de dados publicados e à falta de protocolos padronizados baseados em evidências. A frequência mundial e os métodos de acompanhamento da DC parecem ser fortemente influenciados pelas opiniões de especialistas e médicos que avaliam crianças com DC.

Estudos tem mostrado que embora existam fatores ambientais que afetam o risco de desenvolver DC, ainda não se sabe o que são e como proteger os bebês em risco de desenvolvê-lo. Uma opção favorável para explicar o incremento no risco seria a introdução precoce de glúten na dieta de desmame em lactentes ou a duração da alimentação do leite materno. Em um estudo foi hipotetizado que o leite materno no momento da introdução do glúten pode ter um efeito protetor sobre o risco de desenvolvimento de DC. Um consórcio internacional foi criado para testar esta hipótese. Recém-nascidos com alto risco genético de desenvolver DC foram identificados a partir da história familiar e da tipagem HLA após o nascimento. Eles foram amamentados e alocados em dois grupos: um foi exposto ao glúten aos 4-6 meses enquanto ainda estava sendo amamentado; o outro recebeu placebo e só teve contato com o glúten aos 6 meses. Neste estudo, quase 950 crianças foram acompanhadas até os 3 anos de idade; 5,9% do grupo “early-gluten” desenvolveram DC em comparação com 4,5% do grupo “late-gluten”.

Uma manifestação clínica frequente e por vezes isolada da DC é um crescimento deficiente. Tradicionalmente, isso tem sido atribuído a graves danos histológicos que levam à má absorção de nutrientes essenciais, sendo necessário investigar a deficiência de micronutrientes, como o ferro (hemograma completo e ferritina sérica), cálcio, ácido fólico, vitamina B6 e vitamina B12. Alguns estudos mostraram que a DLG pode levar à sobrecarga de proteínas, lipídios e calorias e ser insuficiente em fibras, ferro e cálcio. No entanto, uma recente evidência minimizou a importância da triagem de rotina para deficiências nutricionais durante o acompanhamento, a menos que motivada por suspeita específica por motivos clínicos.

Outros mecanismos propostos são anormalidades no hormônio do crescimento e no eixo do fator de crescimento semelhante à insulina I e aumento da prevalência de anticorpos antipituitários. Vinte por cento das crianças recém-diagnosticadas podem ser afetadas tanto pela baixa estatura quanto pela puberdade tardia no momento do diagnóstico. Por outro lado, o atraso puberal também pode ser a única característica de DC não diagnosticada. Um papel fundamental do exame físico durante o acompanhamento de crianças com DC é avaliar o crescimento e o estágio puberal e adequar corretamente uma via endócrina específica quando necessário.

O acompanhamento desse paciente é extremamente importante, pois já é sabido a DC pode estar frequentemente associada a outras doenças autoimunes. A tireoidite autoimune e o diabetes tipo 1 são os distúrbios mais comuns encontrados: cada uma dessas doenças afeta 4% a 5% da população com DC. Atualmente, o único tratamento aceito é a dieta livre de glúten que consiste na eliminação ao longo da vida da dieta das proteínas gliadina e glutamina, frações contidas no trigo, centeio, cevada, malte e aveia. Ainda de acordo com as atuais regulamentações européias, somente alimentos e bebidas com um teor máximo de 20 ppm de glúten são considerados seguros para pacientes com DC, pois traços de glúten superiores ao limiar de 20 ppm têm se mostrado prejudiciais em adultos. No entanto, essas recomendações têm sido questionadas por questões relativas aos métodos apropriados para determinar o conteúdo exato do glúten nos alimentos. Tem sido sugerido que um limiar conservador para a exposição ao glúten para indivíduos sensíveis varia entre 20 e 100 ppm.


Referência

Valitutti, F., Trovato, CM, Montuori, M., e Cucchiara, S. Doença Celíaca Pediátrica: Follow-up no centro das atenções. Avanços na Nutrição, v. 8, n. 2, p. 356-361, 2017.

Parzanese, I., Qehajaj, D., Patrinicola, F., Aralica, M., Chiriva-Internati, M., Stifter, S.,… Grizzi, F. Doença celíaca: da fisiopatologia ao tratamento.Jornal Mundial de Fisiopatologia Gastrointestinal, v. 8, n. 2, p. 27-38, 2017.

Amil Dias, J. Doença celíaca: o que sabemos em 2017? GE Portuguese Journal of Gastroenterology, v. 24, n. 6, p. 275-278, 2017.

Anania, C., Pacifico, L., Olivero, F., Perla, FM e Chiesa, C. Fatores de risco cardiometabólico em crianças com doença celíaca em dieta isenta de glúten. World Journal of Clinical Pediatrics, v. 6, n. 3, p. 143-148, 2017.

LEE, Grace J.; KAO, John Y. Recent advances in pediatric celiac disease. Expert review of gastroenterology & hepatology, v. 11, n. 6, p. 583-592, 2017.

2 visualizações

©2019 Celíacos do Brasil - Mês da Conscientização da Condição Celíaca. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por